Ali Dia – Wikipédia, a enciclopédia livre

Ali Dia
Informações pessoais
Nome completo Aly Dia[1]
Data de nasc. 20 de agosto de 1965 (56 anos)
Local de nasc. Dakar, Senegal
Nacionalidade senegalesa
Altura 1,78 m
Informações profissionais
Clube atual Aposentado
Posição Atacante
Clubes profissionais
Anos Clubes
1988–1989
1989–1990
1990–1991
1991–1992
1995
1995
1995
1996
1996
1996–1997
1997
França Beauvais
França Dijon
França La Rochelle
França Saint-Quentin
Finlândia Finnairin Palloilijat
Finlândia PK-35 Vantaa
Alemanha VfB Lübeck
Inglaterra Blyth Spartans AFC
Inglaterra Southampton
Inglaterra Gateshead
Inglaterra Spennymoor United

Aly Dia,[1] mais conhecido como Ali Dia (Dakar, 20 de agosto de 1965) é um ex-futebolista amador senegalês, que tornou-se notório por um hoax feito sobre o famoso técnico britânico Graeme Souness, do Southampton, conseguindo, assim, jogar 53 minutos de uma partida da tradicional Premier League.[2]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Ali Dia começou sua carreira futebolística no futebol francês em 1988. Passou sem sucesso por inúmeras equipes semi-profissionais da França até chegar à Inglaterra, em 1996, para jogar em uma equipe amadora chamada Blyth Spartans AFC. Em meados de 1996, um fato curioso aconteceu, e o fez entrar para os anais da história.[3]

A temporada 1996-97 já estava caminhando para o seu quarto mês. A janela de transferências já havia sido fechada. Graças às várias lesões no elenco, o Southampton, treinado por Graeme Souness, estava necessitando urgentemente de um atacante. Foi quando seu telefone tocou. Do outro lado da linha estava ninguém menos que o liberiano George Weah, que havia conquistado no ano anterior a Bola de Ouro e o Prêmio FIFA de melhor jogador do mundo. Weah informou que estava ligando pois sabia que o clube estava a procura de um atacante, e por isso recomendou um primo seu, de 22 anos, que havia acabado de rescindir contrato com o PSG e que era frequentemente convocado para a Seleção Senegalesa. Sem pensar 2 vezes, Souness aceitou dar um contrato de um mês ao recomendado Ali Dia.[3]

"Ele jogou com Weah no PSG e estava na segunda divisão alemã. Vamos dar uma olhada nele".[2]
Graeme Souness, justificando a contratação do "craque" Ali Dia.

Alguns dias depois, o senegalês de 30 anos apareceu nos treinamentos. Poucos dias depois, mesmo sem causar nenhuma boa impressão nos treinamentos, ele foi escalado para atuar contra o Arsenal em um amistoso envolvendo times reservas. Seria a chance de Souness observar seu recém contratado, mas, devido a uma tempestade, o jogo foi cancelado.[2]

Sem atacantes disponíveis no elenco, o treinador decidiu relacionar o senegalês para o banco da partida contra o Leeds United. No dia 23 de novembro de 1996, no Elland Road, casa do Leeds, decorria o primeiro tempo da partida, quando, aos 32 minutos, o astro do Southampton, Matthew Le Tissier, se lesionou. Souness entendeu que era o momento propício para lançar sua nova estrela. Com a camisa 33, entrava em campo o desconhecido Ali Dia.[3] Sua atuação em campo, como era de se esperar, foi tenebrosa. Por conta disso, aos 40 do segundo tempo, ele foi substituído por Ken Monkou.[2]

"Aquilo foi inacreditável. Ele parecia o Bambi correndo no gelo. Foi extremamente vergonhoso de assistir. Foi uma situação bastante bizarra (risos). No dia seguinte (ao jogo contra o Leeds) fui ao clube para tratar minha lesão e o encontrei por lá, também no departamento médico, já que ele disse que havia se machucado na partida. Depois, ele nunca mais foi visto".[2]
Matthew Le Tissier, em um documentário sobre o futebol inglês.

Após a partida, Graeme Souness foi cobrar explicações de Weah. A estrela mundial se assustou. Não tinha ideia sobre o que o treinador do Southampton estava falando, nunca o havia telefonado e muito menos sabia quem era Ali Dia.[3]

Dias depois, foi descoberto que o africano tinha 31 anos, e não 22, como o falso "George Weah" havia dito a Souness, e que era um mero estudante de economia.[2] O suposto Weah nada mais era que um colega de Ali Dia na Universidade de Northumbria, onde estudava. Após o episódio, Ali Dia ainda atuou em 2 equipes amadoras da Inglaterra e se formou em administração, em 2001,[3] 4 anos após encerrar sua carreira.

Status de lenda[editar | editar código-fonte]

Por conta do episódio, ele acabou ganhando o status de "lenda" na Inglaterra, e passou a ser presença obrigatória em listas das piores transferências e dos piores jogadores já vistos.

O jornal The Times quanto pelo tabloide The Sun, o consideraram o "nº1 da lista de piores jogadores da história do Inglês", e pelo Daily Mail como o "4º pior atacante de todos os tempos do Inglês".[2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Dois outros supostos futebolistas que também tornaram-se notórios por conseguirem enganar grandes clubes e atuar em algumas partidas:

Referências

  1. a b «Aly Dia Profile, News & Stats». Premier League. Consultado em 23 de novembro de 2016 
  2. a b c d e f g espn.uol.com.br/ Há 20 anos, um impostor enganou todo mundo e jogou 53 minutos na Premier League PL
  3. a b c d e doentesporfutebol.com.br/ Ali Dia, a pior contratação da história